skip to Main Content

Lua supérflua | HH Magazine

Loading Likes…

 

Superlua, quase
Supérflua,
Brilhando sobre a horda brasílica
Que relincha ao rocinante de Brasília,
Trotando, que destrói guajajaras e marielles.
E a lua, Superlua!…, quase
Supérflua,
Nas trevas que encobrem e impedem
Ver escombros no presente.
E nem o anjo torto pressente,
Ao luar da Superlua, quase
Supérflua,
Tantos fragmentos e cacos
De ecos do passado de chumbo recente
Obnubilados por nuvens de rancor e fel.
Mais além e logo ali,
A lua, a Superlua evém.

 

 

 


Créditos na imagem: Foto: Tony Winston/Agência Brasília.

 

 

 

SOBRE O AUTOR

Antonio Simplicio de Almeida Neto

Poeta eventual, sou graduado em História (PUC-SP), mestre e doutor em Educação (FEUSP), atualmente sou docente do Departamento de História da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Fonte: Lua supérflua | HH Magazine

This Post Has 0 Comments

Deixar uma resposta

Back To Top