Participe no Humanidades Digitais.

Se desejar pode submeter aqui um artigo quer seja original ou com ligação para outro website.

Espaços de identidade, poder e justiça em Timor-Leste

Após a Consulta Popular de 1999, Timor-Leste iniciou um processo de construção de um Estado democrático, liderado inicialmente pelas Nações Unidas e com um forte apoio da comunidade internacional. Passados 18 anos, e com a saída da última missão das Nações Unidas em 2012 e progressiva Timorização do Estado, diversos estudos realizados têm vindo a revelar a centralidade do local, das comunidades (sucos, aldeias, linhagens das casas sagradas) face às estruturas do Estado centralizado em Díli.

Neste contexto, este colóquio visa compreender as diversas articulações/tensões entre o Estado e as comunidades (sucos, aldeias, Uma Lulik), onde a terra e a casa sagrada permanecem lugares de identidade, governação e justiça. Questões de identidade e reprodução social, governação, justiça e reivindicação de direitos serão discutidas no amplo quadro de tensão/diálogo existente entre os diversos níveis do local com as estruturas do Estado, que pretende ser unificador de todas estas realidades plurais mas que encontra resistências à imposição de um sistema homogéneo de justiça e de governação. Serão abordados, entre outros, os casos das políticas de resolução de conflitos, políticas de património e de um regime de distribuição e de propriedade das terras.

Este evento apresenta resultados de investigações realizadas por pesquisadores/as do CES, bem como de Timor-Leste e do Brasil, nas áreas de Sociologia, Direito, Antropologia e Ciência Política.

[Nota: No âmbito deste Colóquio será organizada uma exposição fotográfica sobre Timor-Leste]

Fonte: espaços de identidade, poder e justiça em Timor-Leste

Article written by Carlos Ferreira

Formador em TI, criou a WEBNUCLEO, uma micro empresa com perfil de consultora na área da gestão e publicação de conteúdos. Acumula experiência e diverte-se na implementação de soluções com plataformas de publicação como o WordPress, Joomla, e Open Journal System.

Be the first to comment

Deixar uma resposta